Coordenação Geral

Coordenador Geral:
Fernando José Martins – UNIOESTE – Campus de Foz do Iguaçu
 
Equipe de Coordenação:
 
André de Souza Fedel – ASSESOAR - Francisco Beltrão
Cecília Maria Ghedini - UNIOESTE – Campus de Francisco Beltrão
Conceição Paludo -  UFRGS
João Carlos de Campos – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – Cascavel
Marcos Gehrke – UNICENTRO - Guarapuava
Solange Todero Von Onçay – UFFS – Campus de Erechim
Valter de Jesus Leite – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – Cascavel
William Simões - UFFS - Campus Chapecó
 
Comissão Organizadora:

1 Articulação Paranaense de Educação do Campo:
APP-SINDICATO, ARCAFAR-SUL, ASSESOAR, CEMPO, CPT, FETAEP, FETRAF-SUL, MAB, MMC, MPA, MST, NUPECAMP, REDE PUXIRÃO, UEL, UEM, UEPG, UFFS, UFPR, UNICENTRO, UNIOESTE, UNESPAR, VIA CAMPESINA BRASIL; IFPR – Campus de Capanema; UTP-PR.
2 Articulação Catarinense de Educação do Campo:
ACECAMPO: IFC – Campus de Abelardo Luz; SINTE-SC; UFSC; CALECAMPO; IFSC, São Carlos e São Miguel do Oeste; UFFS, Campus de Chapecó-SC; Mandato Popular da Deputada Luciane Carminatti; Setor de Educação do MST-SC; MMC; FETRAF-SC.
3 Articulação de Educação do Campo do Rio Grande do Sul:
AEDOC-RS, UFPEL, FURG, UFFS, UNIPAMPA, UFSM, UFRGS, UERGS, IFS, IFSul, IFRS, Instituto Educar, Instituto Josué de Castro (Iterra),  FEAB, Via Campesina, MST, MAB, Fetraf/Sultraf.
4 – Programa de Pós-Graduação em Educação – Unioeste – Campus de Francisco Beltrão

Feira

Haverá durante o IV SIFEDOC a Feira da Agrobiodiversidade, que disponibilizará espaço para grupos (informais e formais), associações e coletivos, organizações e entidades da Agricultura Familiar, quilombolas, ribeirinhos, faxinalenses, benzedeiras, extrativistas, povos originários(indígenas), povos e comunidades de terreiros, bem como demais povos e comunidades tradicionais de produção, processamento e comercialização de alimentos, artesanatos e economia solidária.
A feira terá diferentes modalidades: Produtos in natura, processados e agroindustrializados; Artesanatos e Livros; Sementes e Mudas Crioulas.
A delegação que quiser participar deverá entrar em contato com a coordenação até o dia 20 de março pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com o assunto em caixa alta intitulado FEIRA  e a referência da delegação, exemplo  FEIRA – Grupo Chão e Vida/PONTA GROSSA, informando:
1) qual modalidade;
2) apresentar lista descrevendo os produtos e quantidade que estarão à disposição durante os dias do IV SIFEDOC;
3) fazer parte  de grupos(informais e formais), associações e coletivos, organizações e entidades da Agricultura Familiar, quilombolas, ribeirinhos, faxinalenses, benzedeiras, extrativistas, povos originários(indígenas), povos e comunidades de terreiros,  bem como demais povos e comunidades tradicionais que atuam com a economia solidária;
4)Os produtos processados, agroindustrializados e de origem animal, devem obrigatoriamente possuir o SIF (Selo de inspeção Federal) ou, no mínimo, o SIM (Selo de Inspeção Municipal), bem como rótulo detalhando as informações básicas: ingredientes, data de fabricação, data de validade, indicação do responsável pela produção e procedência);
5) Ser guardião ou guardiã das sementes crioulas que pretende comercializar ou trocar e a) apresentar a lista e a quantidade de sementes que pretende trazer para a feira. b) Relatar a origem das sementes (se proveio de troca, cultivo próprio, comercialização em feiras de sementes ou outros). c) Identificá-las com etiquetas contendo a seguinte descrição: nome de quem produziu, nome e variedade da espécie, local da produção, data de produção e validade.  

Eixos dos Circulos de Saberes

EIXOS E EMENTAS DOS CÍRCULO DE SABERES

 

EIXO 1 - Políticas Educacionais e Educação do Campo

Estudos acerca da organização e a estrutura dos sistemas de ensino em suas diferentes esferas e níveis podendo estar relacionados à Educação Infantil, ao Ensino Fundamental, ao Ensino Médio, à Educação Especial, à Educação de Jovens e Adultos (EJA), à Educação Superior, e ao Ensino Técnico Profissionalizante; assim como, às experiências educacionais em organizações sociais populares, tais como, acampamento e assentamentos da reforma agrária, casas da agricultura familiar e nas escolas do campo, indígenas e quilombolas. Os fundamentos das políticas públicas e seus processos de planejamento, implantação, gestão e avaliação, relacionadas com a Educação do/no Campo, debatendo seus limites e contradições na formulação de políticas em nossa sociedade; a atuação do Estado na perspectiva da garantia da Educação como direito social e subjetivo, na educação escolar e não escolar.
 
Coordenação: Alex Verdério (UFRB), Luciani Paz Comerlatto (UFRGS)
 
Sistematização: Edilaine Aparecida Vieira(MST), Fabiana Fatima Cherobin (IFSC e IFC)


EIXO 2 - Educação do Campo e Agroecologia

A agroecologia e suas relações com os povos tradicionais do campo. Os movimentos sociais, questão agrária, agroecologia e suas relações com a Educação do Campo. Agricultura familiar camponesa, povos tradicionais e a agroecologia em escolas do campo. A universidade, cursos técnicos, Educação Básica, agricultores camponeses, povos tradicionais e suas experiências agroecológicas frente ao agronegócio. Os agroecossistemas com princípios da agroecologia e sua importância para a população do campo, visando a produção de alimentos saudáveis (experiências e práticas). Produção de alimentos, agroecologia, energia alternativa e sua importância para as populações campesinas. Os princípios da agroecologia para combater a poluição por agrotóxicos e metais pesados na produção de alimentos, repensando assim, os modelos de produção e consumo capitalistas.

Coordenação:Antonio Inácio Andrioli (UFFS) Roberto Antonio Finatto (UFFS)
 
Sistematização: Valter de Jesus Leite (MST), Luneia Catiane de Souza (ASSESOAR)


EIXO 3 – Saberes e Práticas Educativas nos Movimentos Sociais e  Comunidades Tradicionais

Estudos acerca dos limites e contradições da organização e a estrutura dos sistemas de ensino em suas diferentes esferas e níveis podendo estar relacionados à Educação Infantil, ao Ensino Fundamental, ao Ensino Médio, à Educação Especial, à Educação de Jovens e Adultos (EJA), ao Ensino Técnico Profissionalizante e à Educação Superior, na relação com os Movimentos Sociais e povos tradicionais; assim como, às experiências educacionais escolares e não escolares, em comunidades tradicionais e organizações sociais populares, tais como, acampamento e assentamentos da reforma agrária, casas da agricultura familiar e nas escolas e comunidades indígenas e quilombolas.
 
Coordenação: Solange Todero Von Onçay (UFFS), Elodir Lourenço de Souza (IFSC IFC)
 
Sistematização: Denilson Silva (UFFS), Valeria Viana Labrea (UFGRS)

 
EIXO 4 - Formação Inicial e Continuada de Professores

Formação inicial e continuada de professores, experiências e práticas, em todos os níveis de ensino. Formação inicial de professores na pedagogia da alternância. Formação de professores nas politicas públicas e educacionais tensionadas pelos movimentos sociais. Programas nacionais, estaduais e locais de formação continuada de professores.  

Coordenação: Valdirene Manduca de Moraes (UNICENTRO), Maria Isabel Farias (UFPR Litoral)
 
Sistematização: Ana Cristina Hammel (UFFS), Marcos Gerhke (UNICENTRO)


EIXO 5 - Organização do Trabalho Pedagógico na Educação do/no campo das águas e das florestas

Discutir, refletir e problematizar acerca da organização das práticas pedagógicas nas escolas do campo, indígenas e quilombola no que tange à gestão e sua articulação com o projeto político pedagógico diferenciado, contemplando as especificidades do campo. Formas de organização do currículo, da avaliação e de processos disciplinares, interdisciplinares e transdisciplinares do fazer pedagógico nos diferentes níveis do ensino das escolas do/no campo: infantil, fundamental, médio, de jovens e adultos e superior. Reflexões teórico-práticas do fazer pedagógico e experiências dos educadores e demais trabalhadores do e no campo em seus processos educativos.

Coordenação:Clésio Acilino Antonio (UNIOESTE), Elisete Enir Bernardi Garcia (UFRGS Litoral)
 
Sistematização:Marciane Maria Mendes (UFFS),Marcio José de Lima Winchuar (UNICENTRO)


EIXO 6 – Questão agrária, territórios, Movimentos Sociais Populares do Campo e povos tradicionais: indígenas e quilombolas

Estudo acerca das experiências da educação no do campo nas experiências que envolvem os movimentos sociais e os povos tradicionais, tendo a educação do campo e popular como processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil. a) dimensão política, por meio da organização dos trabalhadores do campo, movimentos sociais e povos tradicionais na participação e democratização do Estado; b) na dimensão econômica e de sustentabilidade, que envolve o território; c) na dimensão pedagógica e cultural, nas experiências históricas dos trabalhadores, movimentos sociais e povos tradicionais, nas escolas do campo, Educação Básica e Superior; d) na dimensão epistemológica que está alicerçada na Educação dos povos do campo: suas relações com a natureza, o trabalho, a cultura e a política.

Coordenação:Leonice Aparecida de Fátima Alves Pereira Mourad (UFSM), Vitor Moraes (UFFS)
 
Sistematização:Marluse Castro Maciel (IFSC e IFC), Felipe Fontoura Grisa (ASSESOAR)


EIXO 7 - Relações de Gêneros, sexualidade e Feminismos

 
Estudos sobre as categorias de gênero e classe. A cultura patriarcal e as relações patriarcais de gênero nas comunidades e movimentos sociais do campo. O fenômeno da violência contra as mulheres, crianças e LGBT no campo.  A emergência das lutas das mulheres camponesas pelos direitos previdenciários (a aposentadoria), pela igualdade de gênero, pelo direito a participação política e pela autonomia financeira. A formulação do feminismo camponês e popular. O sexismo e a heteronormatividade compulsória que oprimem as identidades de gênero e sexualidades e a participação das LGBT nos movimentos camponeses. Pesquisas sobre sexualidades na adolescência, sua vivencia no campo. As abordagens  sobre sexualidade, gênero, feminismo e patriarcado nas Escolas do Campo e nos movimentos camponeses. A construção social dos corpos camponeses e camponesas seus processos de normatização e desconstrução.

Coordenação:Alessandro Santos Mariano (MST), Liria Angela Andrioli (UFFS)
 
Sistematização: Sandra Marli da Rocha Rodrigues (MMC), Andreia F Vansetto Soares (ASSESOAR)


EIXO 8 - Trabalho e Educação

 
O Trabalho como elemento fundante do ser social e princípio educativo, salientando a centralidade do trabalho na perspectiva marxiana. O debate da nova morfologia do trabalho e as repercussões sobre trabalho docente e não docente, envolvendo a intensificação, a precarização que inclui as condições de trabalho e infraestrutura, as formas de contratação, a carreira, o salário e a perda da autonomia profissional. As características da formação e da valorização dos trabalhadores da educação, envolvendo as novas Diretrizes Curriculares para Formação, a Reforma do Ensino Médio e o debate sobre a Base Nacional Comum Curricular, enquanto padronizadora dos conteúdos a serem ministrados na Educação Básica. O papel do Sindicato para a resistência e avanço da categoria. O papel dos Movimentos Sociais na formação dos trabalhadores do Campo, discutindo como as escolas ligadas a estes Movimentos possibilitam a formação contra-hegemônica. As escolas do campo e a formação dos camponeses para o trabalho agrícola numa perspectiva de superar a dicotomia trabalho intelectual e trabalho manual.

Coordenação: Rogeria Pereira Alba (ASSESOAR)
 
Sistematização: Greti Aparecida Pavani (IFSC e IFC), Vagner Luiz Kominkiéwicz (IFSC e IFC)
 


EIXO 9 - História, Epistemologias e Educação do Campo

O objetivo geral deste GT é constituir e proporcionar um espaço amplo e plural de interlocução de saberes e experiências entre os interessados nas questões históricas e epistemológicas relativas à produção do conhecimento da/na Educação do Campo. Nesta discussão, são bem vindos trabalhos de diversos campos do conhecimento que proporcionem um olhar crítico dessa(s) história(s), tais como: História e Filosofia da Ciência. Humanidades, Cultura, Natureza e Conhecimento. Aspectos conceituais e filosóficos da Educação do Campo: inatismo, idealismo, realismo, racionalismo, empirismo e práxis. O campo como objeto epistemológico. Reflexões sobre a pedagogia contemporânea seus limites e suas possibilidades. Práxis, Emancipação e Autonomia. Educação do Campo e história agrária no Brasil e na América Latina. Educação e historicidade. Educação do Campo e interdisciplinaridade. Alternância e construção do conhecimento. (Obs.: Considerar revisionismo e obscurantismo)

Coordenação:Conceição Paludo (UFRGS),
 
Sistematização: Leandro Carlos Ody (UFFS), João Carlos de Campos (MST)


EIXO 10 - América Latina, Decolonialidade e Poder

A Educação do Campo carrega as marcas das históricas lutas contra o “sistema-mundo-euro‐norte‐americano-moderno-capitalista-colonial-patriarcal-racista”, sistematizando e teorizando as práticas pedagógicas de r-existências presentes em diferentes territórios protagonizados pela pluralidade de conhecimentos e culturas dos povos colonizados do campo, das águas, das florestas em suas diversas estéticas de perceber, estar e dizer o mundo. Portanto, as experiências prático-teóricas da Educação do Campo buscam constituir, em diálogo com as experiências educativas latino-americana e com o pensamento decolonial, um campo pedagógico contra-hegemônico que reconhece outros tempos, outros espaços e outros sujeitos como agentes educativos, na procura da produção de um saber agroecológico que decolonize a educação e tensione o saber monoepistêmico, com a incorporação de conhecimentos e práticas culturais de outros povos no currículo escolar.

Coordenação:José Guilherme Franco Gonzaga (UNIPAMPA)
 
Sistematização: Maria do Socorro Silva (UFCG), Ândrea Francine Batista (UFPR Litoral)


EIXO 11 - Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva na Educação do Campo

Analisar as relações entre o desenvolvimento do psiquismo humano e a educação escolar das pessoas com deficiência, tomando como referências centrais a psicologia histórico-cultural, as políticas e práticas pedagógicas que contribuem para a inclusão na educação do campo, indígena e quilombola. Estudos acerca da qualidade do desenvolvimento psíquico na relação com os processos educativos disponibilizados às pessoas com deficiência e adultos em processo de escolarização. Práticas que podem se revelar equitativas à medida que são assistidas por um ensino sistematicamente orientado à transmissão dos conhecimentos e apontam possibilidades pedagógicas de enfrentamento da lógica excludente da escola na sociedade de classes, numa atuação contra hegemônica, com o horizonte da ampliação do acesso às melhores produções humanas, reconhecendo a pluralidade dos processos educacionais e das possibilidades de humanização dos indivíduos e da sociedade. A atualidade do debate e experiências práticas em torno das politicas afirmativas.

Coordenação:Lucia Terezinha Zanato Tureck (UNIOESTE)
 
Sistematização:Neide da Silveira Duarte de Matos (UNIOESTE), Maria Eloá Gehlen (UFFS)

 


EIXO 12 – A Formação da Infância

Contempla estudos relacionados às concepções de infância e o cotidiano de instituições educacionais do campo, incluindo suas atividades, organização do espaço, do tempo, as interações, documentação, avaliação, conteúdos e metodologias, tais como, práticas curriculares interdisciplinares na educação infantil; linguagens artísticas diversas e sua relação com o desenvolvimento infantil, temas transversais contemporâneos. Também, as concepções políticas e práticas para e com as crianças.  Assim como, a análise das políticas públicas fomentadoras da formação inicial e continuada dos docentes da Educação Infantil que atuam nas escolas no campo, nas redes públicas de ensino.
 
Coordenação:Isabela Camini (ITERRA),
 
Sistematização: Adriana Salete Loss (UFFS), Solange Aparecida Collares (UNICENTRO)
 

EIXO 13 – A Formação da Juventude

Juventude e Geração nas pesquisas em Educação do Campo. Juventude, Educação do Campo e Sucessão na Agricultura Familiar. Saberes das juventudes dos povos do campo, das águas e das florestas. Experiências educativas não formais e/ou de formação política com jovens do campo. Juventudes e Educação do Campo. A escola do campo como espaço de aprendizagem e socialização juvenil. Os/as jovens do campo, a escola e o ensino. A participação da juventude na construção da educação e da escola do Campo.  A escola do campo e a formação política dos/das jovens. Organização política das juventudes e experiências de organização e luta.

Coordenação:Suely Aparecida Martins (UNIOESTE)
 
Sistematização: Natacha Eugênia Janata (UFSC), William Simões (UFFS)
 

EIXO 14 – Cultura e a formação das Identidades

 
Território, cultura e identidade dos sujeitos do campo. Territorialidades específicas etnicamente diferenciadas e saberes territoriais dos povos e comunidades tradicionais. Cultura, luta política e movimentos sociais do campo.  Experiências educativas escolares e não escolares em Educação do Campo voltadas ao fortalecimento da identidade camponesa e suas múltiplas expressões culturais. Manifestações culturais artísticas dos povos do campo e suas potencialidades pedagógicas para os processos de ensinar e aprender na escola. Políticas de reconhecimento e combate aos preconceitos em relação à cultura e as identidades dos sujeitos do campo.

Coordenação: André Boccasius Siqueira (UFRGS CLN)
 
Sistematização: Juliana Adriano (MST), Andre de Souza Fedel (ASSESOAR)


EIXO 15 – Tecnologias e sua influência na formação do ser humano na atualidade

História e evolução das mídias. O conceito de tecnologia e sua relação com a educação, com o mundo contemporâneo, compreendendo a influência da tecnologia na formação humana, nos sistemas educacionais e os processos de inclusão digital no Brasil. Enfoque teórico-prático sobre o uso do computador e da tecnologia digital na educação, bem como as implicações pedagógicas e sociais desse uso. As funções e perspectivas da mídia na escola no campo.

Coordenação:Camila Munarini (IFSC e IFC)
 
Sistematização: Janilson Loterio (IFSC e IFC)