Oficinas

Descrição das Oficinas

Práticas Docentes na Educação Infantil: Socializando Experiências

A presente oficina objetiva desenvolver algumas das atividades realizadas durante as aulas ministradas por este grupo no estágio de Prática III, como critério requerido para a conclusão desta disciplina do curso de Pedagogia. A atividade de docência ocorreu no CMEI Padre Luiz Luise, nas turmas de Maternal II e Pré I.  Baseados na experiência que tivemos nesta etapa do curso, faremos a sugestão de alguns encaminhamentos metodológicos que foram realizados com sucesso, de forma interdisciplinar, dentre os quais, foram explorados os conhecimentos sobre: educação no trânsito, educação ambiental, alimentação saudável, diversidade cultural, escala e orientação espacial. Algumas das atividades das aulas foram ministradas em sala, mas priorizamos a exploração de diversos espaços que compõem o CMEI (pátio, parque, brinquedoteca, corredores e calçadas).

 

A Articulação Entre Brincadeira e Conteúdo na Educação Infantil

O objetivo da Oficina é discutir sobre o brincar na educação infantil, como atividade importante na promoção do desenvolvimento da criança, assim como, apresentar o projeto do pedagogo executado em um Centro Municipal de Educação Infantil - CMEI - do município de Cascavel. Assim, propomo-nos a apresentar possibilidades de abordar conteúdos escolares a partir da brincadeira, ao mesmo tempo, propiciando conhecimento sobre a Educação Infantil, com uma apresentação de teóricos que trata do assunto para fundamentar a temática. Em seguida, serão realizadas atividades práticas, às quais resultam em oportunidades de brincar aprendendo, e contemplarão conteúdo das disciplinas: Artes, Ciências, Geografia, História, Língua Portuguesa e Matemática. Para tanto, utilizar-nos-emos da articulação entre um determinado conteúdo do Currículo da Educação Infantil de Cascavel a uma brincadeira que permite ao aluno a compreensão do tema realizando atividades lúdicas.

 

Fotografia Documental e Ensino: como ler uma fotografia?

Esta Oficina tem o objetivo de discutir as diversas implicações da imagem com a leitura relacionando a sociedade, contexto histórico e relações sociais com o linguagem fotográfica enquanto documento e representação de mundo. Discutir e apresentar a fotografia como enquanto técnica e signo – funções e usos da fotografia como narrativa visual – e a partir deste debate trabalhar alguns dos maiores fotógrafos do século XX como Robert Capa (fotografia de guerra) e Sebastião Salgado. Visa discutir o produto fotográfico enquanto síntese entre as possibilidades técnicas da máquina fotográfica – que é determinada pela tecnologia de uma dada época - e as opções ideológicas do fotógrafo – que são determinadas pelo contexto histórico. O leitor, ao observar uma imagem fotográfica deve estar consciente de que a interpretação do real, apesar da “verdade iconográfica” que traz a fotografia, será forçosamente influenciada por outra ou várias interpretações anteriores.

 

El proceso de Comprensión Auditiva en las clases de Español: selección de materiales como apoyo en el aula

Esta oficina tem como objetivo representar nossas experiências como docentes de Língua Espanhola, centrando-se na temática que versa sobre o processo de compreensão auditiva a partir da seleção de materiais que sirvam como apoio pedagógico nas aulas de idioma. A primeira parte representa a investigação teórica sobre o ensino-aprendizagem da Compreensão Auditiva, na qual se descreve as peculiaridades que caracterizam a audição enquanto atividades cognitiva e comunicativa e a sua prática em sala. Na segunda parte, pretende-se realizar uma análise de alguns casos de atividades, os quais serão apresentados em modelos de materiais audiovisuais que tenham como objetivo principal exercitar a capacidade auditiva. O trabalho também inclui uma reflexão sobre as opções em que se selecionaram tais materiais e atividades.

 

Educação Especial e Educação Inclusiva: aspectos teóricos e práticos

A educação inclusiva se constitui num dos maiores desafios postos à escola brasileira nos últimos anos. Nesse contexto, a Educação Especial como modalidade de educação escolar que perpassa transversalmente os diferentes níveis/etapas de ensino, tem por objetivo apoiar, complementar e suplementar o trabalho pedagógico do ensino comum por meio do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Esse AEE constitui-se como o “fazer”  da Educação Especial e deve contribuir para a aprendizagem dos alunos das diferentes áreas que compõem a Educação Especial (Deficiências Física, Visual, Intelectual, Auditiva/Surdez, Deficiência Múltipla, Transtornos Globais do Desenvolvimento/Transtornos do Espectro do Autismo, Transtornos Funcionais Específicos e Altas Habilidades/Superdotação). 

 

Produção de Vídeos na e para a Sala de Aula. Será Que é uma Boa Ideia?

Esta Oficina visa a orientação de produção de vídeos simples para o trabalhado em sala de aula.  O trabalho compreenderá, portanto: a) mostrar comos os materiais audiovisuais são uteis  no processo de ensino-aprendizagem; b) dar dicas de como usar a máquina fotográfica ou celular para filmar seu próprio vídeo ; c) buscar imagens adequadas para utilizar no vídeo e mostrar sites onde é possível editá-las com qualidade ; d) ensinar a usar o programa de edição gratuito da Microsoft, o Windows Live Movie Maker; e e) utilizando esse programa, mostrar como podemos fazer uma edição interessante e criativa.

 

As diferentes ideias das operações matemáticas e a sua dinamicidade

Nós, um grupo de seis acadêmicas do 3º ano de Pedagogia da Unioeste, Campus de Cascavel, desenvolvemos um projeto articulado com o trabalho do coordenador pedagógico, como parte das exigências da disciplina Estágio Supervisionado sob a forma de prática de ensino II, em uma escola municipal dessa cidade. O referido projeto, intitulado Aspectos teóricos e metodológicos para o ensino de matemática dos anos iniciais do ensino fundamental, será utilizado como base para a aplicação de uma oficina denominada As diferentes ideias das operações matemáticas e a sua dinamicidade, a qual terá como objetivo possibilitar uma maior compreensão dos conceitos das operações fundamentais da matemática, bem como a relação entre elas e suas diferentes ideias. Este trabalho, pautado na concepção vygotskyana de desenvolvimento, será encaminhado paralelamente à utilização de problemas/textos matemáticos e enriquecido pela utilização de materiais didáticos pedagógicos.

 

Fotografia Documental e Ensino: como ler uma fotografia?

 

Arte e Jogo: o Lúdico no Esnino da Arte

Esta oficina tem por objetivo abordar os conteúdos, do Ensino Fundamental e Médio, das disciplinas de Artes e Educação Artística, a partir do jogo lúdico, considerando os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997). A discussão abordará os teóricos Dondis (2003), Gomes Filho (2000) e Gombrich (2011), ressaltando a História da Arte e os Elementos Formais da Arte. Busca-se, em seguida, desenvolver atividades práticas articulando as disciplinas de Artes, Ciências, História, Literatura e Matemática, as quais podem potencializar o desenvolvimento de brincadeiras quem permitem que a criança e o jovem estabeleçam relações com o mundo e entendam o sentido de aprender Arte na Escola: é por meio da ludicidade que os educandos podem compreender uma obra artística e aprender a criar suas próprias formas de expressarem os seus conhecimentos/sentimentos.

 

Alfabetização/Letramento por Meio de Práticas Sociais de Leitura

Nosso objetivo, por meio dessa oficina, é refletir sobre práticas sociais de leitura que contribuam no processo de alfabetização/letramento do aluno. Para isso, partiremos de uma breve reflexão sobre os conceitos “alfabetização” e “letramento” para, posteriormente, encaminharmos sugestões de atividades didáticas que possam contribuir com a aprendizagem do aluno. Nossas reflexões estarão pautadas em uma concepção dialógica (BAKHTIN, 2003; BAKHTIN/VOLOCHINOV, 2004) interacionista de linguagem (GERALDI, 1984,1991) e discursiva de leitura. Assim subsidiadas, apresentaremos algumas proposições didáticas. 

 

Educação ambiental: a importância de conhecer o saneamento básico para a saúde

A Educação Ambiental é área de importância crucial, pois uma vida saudável envolve uma relação de respeito e adequação entre o homem e seu contexto. Essa relação está permeada pelas condições materiais de existência dos homens. Há uma ligação entre pobreza e degradação ambiental, assim essas condições geram boas ou más soluções aos problemas da vida cotidiana, entre os quais se destaca a questão do saneamento básico. Durante muito tempo, em Cascavel, as soluções para a questão do saneamento básico eram caseiras, improvisadas, não se reconhecia sua importância para a saúde populacional.  Este projeto objetiva refletir sobre as concepções discentes a respeito do que é o esgoto doméstico, e como ocorre o tratamento de resíduos gerados no interior de cada residência. Ressaltam-se três principais itens: importância e função da caixa de gordura; riscos coletivos e individuais da fossa negra e tratamento dos dejetos.

 

Programação

PROGRAMAÇÃO IV SEPEC

02/02/2016 - Manhã

8h - CREDENCIAMENTO

Atividade Cultural no Hall do Anfiteatro

8h30min

Cerimônia de Abertura

9h - Palestra

Profa. Dra. Sonia Mari Shima Barroco – UEM

Título da Palestra: Tendências do Ensino Superior e seus impactos para a formação e a atuação do professor

Profa. Dra. Marta Sueli de Faria Sforni - UEM

Título da Palestra: Cenários Políticos e Práticas Pedagógicas para a formação na Educação Básica

Debate

Encerramento

 

02/02/2016 - Noite

19h30min - CREDENCIAMENTO

19h 45min - Atividade Cultural

20h – Palestra

Palestrantes:

Prof. Dr. João Batista Zanardini – Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE

Título da Palestra: A Política Educacional como uma Mediação entre a Teoria e a Prática

Profa. Claudia Pagnoncelli – Conselho Municipal de Educação de Cascavel/PR

Título da Palestra: A Política de Formação na Rede Municipal de Ensino de Cascavel frente ao cenário nacional

Debate

Encerramento

 

03/02/2016 – Manhã

Exposição de Pôsteres: No corredor dos Blocos de Sala de Aula dos Cursos de Letras e Pedagogia, quarta/quinta, durante os três turnos. Os (as) apresentadores (as) devem retirar os Pôsteres na sexta-feira de manhã.

Cofee Break – Sala 13 - Horário: 9h40 às 10h.

Comunicações Orais. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

03/02/2016 – Tarde

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 15h30 às 16h50.

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

03/02/2016 – Noite

Cofee Break – Sala 01 – Horário: 20h30 às 21h50.

Comunicações Orais. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

04/02/2016 – Manhã

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 9h40 às 10h.

Comunicações Orais. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

04/02/2016 – Tarde

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 15h30 às 16h50.

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

04/02/2016 – Noite

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 20h30 às 21h50.

Comunicações Orais. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

05/02/2016 – Manhã

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 9h40 às 10h.

Comunicações Orais. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

05/02/2016 – Tarde

Cofee Break – Sala 01 - Horário: 15h30 às 16h50.

Oficinas. Confira o local e o horário no Menu Ensalamento.

 

05/02/2016 – Noite

Cofee Break no Hal do Anfiteatro - Horário: Horário: 19 h.

Encerramento do Evento no Anfiteatro.